Manifesto Porto08

1Março2008 – 17:00

fnac PORTO r.sta. catarina 73

carlos quiroga

SAÚDO AO PORTO


Boa tarde, Capital do Norte!

Boa tarde, Cidade Invicta!

Não vai ser este um saúdo “Basta pum basta!!!”

Não vai ser este um saúdo “Morra o Dantas, morra! Pim!”

Não venho lançar a denúncia patibular, lanço

um canto de embalar, requebrado de langor… metálico!

Um canto de embalar, no entanto, embalado em balas!

Neste 1 de Março de 2008, descem galegos até si próprios

porque existe finalmente um geração que não consente

deixar-se representar por um Dantas, morra! Pim!

Descem galegos com a pronúncia do Norte, que cantava

o Rui Reininho, descem com a pronúncia do Norte que é

a vossa. A nossa algo mais contaminada, certo, mas afinal

ainda dentro do mundo que forma a nossa família.

Descem galegos em trânsito, porque não ficam, descem em festa

mas voltam a casa, a nossa mas também a do mundo,

passamos por vós ao mundo e contamos, avisamos. Sempre

transitando. Abrimo-nos ao mundo passando por cá,

porque Portugal é o Porto, tira daqui o seu nome,

Portugal é o Porto, mas o Porto também é a Porta.

Obrigaram os galegos a fechar esta porta há tanto tempo

que pouca gente na Galiza se lembra que existe.

Nós sabemos, nós recordamos, nós mostramos.

Por isso anda pessoal desta geração a abrir portas, Portos.

Por isso a Gentalha do Pichel se lembrou de armar

esta Intervenção cultural galega nesta cidade próspera.

Não somos a Junta de Fraga nem de Tourinho, Dantas,

não temos o dinheiro oficial, não somos oficialmente

nada, os lusistas, reintegracionistas, nem reclamamos

a inteligência que até temos, deixamos para os Dantas,

entregues ao mundo oficial, para eles ser espertinhos.

Mas Basta pum basta!!!, de eles virem por nós!

porque existe finalmente um geração que não consente

deixar-se representar por um Dantas, morra! Pim!

Por isso reclamamos ao vivo com o nosso sex-apelo

superior, acima do novo vestir bem dos Dantas,

esses Dantas nossos que já não usam ceroulas de malha.

Descemos até à “Antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta“,

Vem a GZ recordar a Portugal o Gal, deixá-lo no Portu

para Portugal ter o seu nome completo, e nós voltar,

continuar, transitar, continuar a ser.

Na igreja da Lapa está o coração de D. Pedro IV

que o ofereceu à população da cidade em homenagem

ao contributo dado pelos seus habitantes à causa liberal.

Nós vimos deixar o nosso coração aqui

com os nossos Maus Hábitos, nos vossos Maus Hábitos,

para partir expedicionários à consquista de nós,

porque não existe causa mais liberal que a nossa,

porque nos damos por apoiados só por ouvirdes.

A gente desta cidade invicta ofereceu em 1415 toda a carne,

a outros expedicionários que partiam a outra consquista,

ficou apenas com as tripas, confeccionou daí um prato,

tirou daí um nome, uma fama, de que se alimenta ainda.

Nós não pedimos tanto e somos até mais vegetarianos,

mas a nossa conquista é mais subtil, difícil, solitária até,

porque é a conquista de nós, não queremos roubar Ceuta

–que é ao que iam aqueles expedicionários –,

queremos só recuperar-nos a nós, portanto obrigados,

damo-nos por apoiados só por por estardes aqui.

Portanto Basta pum basta!!!, o virem outros por nós dizer.

Cá estamos com valor, direito, talento,

e obrigados por estardes vós.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: